Love – Food – Travels

Love – Food – Travels

A Pandemia continua a impedir-nos de voar livremente.

Continuamos a sonhar com as viagens que não se podem fazer e recordar as que passaram. E, nem de propósito, descobri este post semi-acabado nos meus rascunhos.

Uma das melhores experiências da nossa Lua de Mel no Quénia foi o amanhecer a sobrevoar a savana em Masai Mara num balão de ar quente.

Não foi o primeiro voo destes – esse foi em Capadócia, em 2011, com a minha mãe. E foi, sem dúvida, fantástico.

Mas este foi uma aventura que teve que se lhe diga.

Passámos duas noites nesta reserva e tínhamos o voo marcado no primeiro dia. Acordámos cedo, por volta das 4 e pouco para sair antes das 5 da manhã até ao local de onde saiam os balões, a uns 25 minutos do nosso lodge.

Andar por aqueles caminhos à noite teve um sabor completamente diferente: o silêncio da selva, o fugaz “olho brilhante” que se via no horizonte no meio daquela escuridão imensa deram todo um sabor de aventura ainda mais elevado à já existente.

Estava planeado levantarem dois balões; chegámos, eles começam a aquecer o balão mas o vento não coopera. Já o sol vai alto e nada – não foi bem sucedido.

A primeira tentativa

Acontece: a natureza é assim mesmo, imprevisivel.

Felizmente, como ainda tínhamos uma segunda manhã, lá conseguimos organizar e ir repetir a tentativa no dia seguinte.

E é nestas situações que eu acredito em duas coisas: low expectations mas sempre com pensamento positivo.

Sabíamos que no dia seguinte íamos para Zanzibar – tínhamos de sair às 9h de Masai Mara para estar em Nairóbi a tempo de almoçar e ir apanhar o voo. Ia ser uma correria e podia ser em vão, se o tempo voltasse a fazer das suas.

Estive o tempo todo a tentar convencer-nos que, mesmo que não houvesse condições para voar, não fazia mal. “Voamos noutro sitio”.

Voltámos a madrugar (entendem porque digo que é das viagens mais cansativas que já fiz?) e, dessa feita, os ventos sopraram a nosso favor.

O segundo nascer do sol

E a experiência foi magnifica.

Acho que não consigo, por mais que tente, descrever ao certo o que se sente quando olhamos, lá de cima, para a imensidão daquelas terras inexploradas, com o sol a nascer no horizonte, e vemos uma familia de girafas ou uma manada de gnus ou zebras a passear, serenamente.

Paz. É a verdadeira sensação de paz – e parece que o mundo é quase perfeito (precisava mesmo de sentir isto neste momento).

As imagens não fazem jus à beleza mas são as que as câmaras conseguiram captar.

A 🦒 ali no meio 💓
O nosso Piloto – depois dum voo de Balão é tradição fazer um brinde com champanhe – como tínhamos pressa tirámos a foto e a garrafa viajou até Zanzibar connosco!

Bons voos (mesmo que imaginários, por agora) <3

Partilha este artigo

A autora - Margarida

Portuguesa em Doncaster.

Médica Dentista de Dia || Blogger, viajante e entusiasta da cozinha nos tempos livres

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

EnglishPortuguese

This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website.