Love – Food – Travels

Love – Food – Travels

zanzibarmood

Highlights of Zanzibar #part 2

Como prometido, no post anterior sobre esta ilha paradisíaca, hoje trago-vos tudo sobre a nossa visita a Stone Town, passando por uma plantação de especiarias. Passámos este dia com um casal Português, também em Lua de Mel, que conhecemos ainda no Quénia e com que simpatizámos bastante. O guia, contratado na praia, foi impecável e explicou-nos bastante sobre a história local.

Começámos por visitar a Hakuna Matata Spice Farm,  uma pequena plantação de especiarias locais, ao lado de uma escola. Caminhando por pequenos e estreitos caminhos, o que a olhos pouco treinados pareceriam apenas mais umas plantas e árvores, transformavam-se em baunilha, canela, cardamomo e companhia. Foi-nos explicado em detalhe como cada uma crescia e quais os usos, desde culinários a médicos, mais comuns de cada. Entre cheiros e provas a plantas e frutas, acabámos a visita com uma merecida água de côco, acabada de apanhar.

Seguimos viagem até à capital da ilha.

Sendo uma grade produtora de especiarias, incluindo o cravinho, a canela e a pimenta, esta era, obviamente, uma importante base para trocas comerciais – não só de especiarias, mas também de escravos, – entre a Ásia e África. Os portugueses foram os primeiros europeus a ter o controlo de Zanzibar e mantiveram-no durante quase 200 anos, até ter sido conquistado pelo sultanado da Omã e convertido, definitivamente, ao Islamismo.

Construíram um forte no local de uma igreja portuguesa e fundaram a que viria a ser a actual Stone Town.

Deparamo-nos, logo à chegada, com a Casa das Maravilhas (a primeira casa com electricidade na ilha) e o porto com os seus canhões do tempo dos descobrimentos.

Perdemo-nos pelas ruas estreitas da medina, por entre casas antigas e lojas de artesanato.

  Passámos pela casa onde nasceu Freddy Mercury .

E, como não podia deixar de ser, pelos mercados.

Aqui, tem-se a sensação de uma viagem no tempo, a um mundo diferente e exótico. As ruas labirínticas, o burburinho constante, os palácios outrora opulentos, as referências à época da escravatura, a influência indiana nas cores e na decoração das pesadas portas de madeira, o ritmo africano das ruas – tudo se conjuga numa panóplia única e mística.  

O nosso simpático guia levou-nos a almoçar a um restaurante local, onde fizemos a melhor e mais barata refeição de sempre, o Lukmaan. Os sumos naturais eram divinos, mas isso já seria de esperar. Provámos pratos típicos como arroz Bhyriani, camarões em molho de côco e caril e frango indiano. O caril de Polvo foi a melhor coisa que já provei e ando desejosa de experimentar a fazer esta receita – talvez a partilhe, se sair boa!

Toda esta diversidade cultural, banhada por um frondoso mar turquesa e acompanhada sempre do mote Hakuna Matata (sem problemas), faz de Zanzibar um pequeno pedaço do paraíso, merecido de se conhecer.

Asante Sana, Zanzibar!

Partilha este artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A autora - Margarida

Portuguesa em Doncaster.

Médica Dentista de Dia || Blogger, viajante e entusiasta da cozinha nos tempos livres

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

EnglishPortuguese

This website uses cookies to ensure you get the best experience on our website.