Resenhas · Travel

Postcards from Quénia #part1

Finalmente consegui arranjar um bocadinho de tempo para me dedicar a escrever sobre a grande aventura que foi a nossa Lua de Mel. A escolha do destino não foi imediata (podem ver neste post algumas dicas sobre isso) mas depressa concluímos que queríamos riscar um sonho comum da nossa “bucket list”: um Safári em África.

Pessoalmente, sempre sonhei em conhecer o Quénia e, depois de algumas ponderações, foi o destino eleito para a primeira parte da nossa viagem.

Chegar a Náirobi, a partir de Lisboa, levou-nos quase um dia inteiro de viagem, feita via Paris com a Kenya Airways. Com alguma pena, não tivemos tempo de conhecer a capital do país, pois atrasámo-nos no aeroporto, e acabámos por ir diretamente para o hotel, já que no dia seguinte começava a aventura a sério.

Saímos de Náirobi de manhã e, logo à saída do hotel, deparámo-nos com a realidade confusa que é aquele país. Da estrada, observámos zonas de casas, mercados, escolas e campos. Os animais atravessam-nos à frente, as crianças correm atrás dos carros e os vendedores espreitam as janelas a tentarem vender-nos os produtos. A terra vermelha, aquela que é uma das maiores imagens de África, tem uma cor indiscritível, que se entranha no olhar e nos acompanha toda a viagem. Os olhos vão de um lado para o outro, tanta é a confusão dos aglomerados de tudo, das “lojas” e oficinas, das carrinhas e camiões ao despique naquelas estradas de bradar aos céus.

A primeira paragem “tática” que fizemos foi num miradouro donde observámos o Great Rift Valley, uma das maiores fissuras do globo, com cerca de 9000km desde o Líbano até Moçambique, que atravessa o Quénia a meio. É um dos responsáveis pela riqueza e biodiversidade do país. Ao longo do Rift, encontram-se nascentes, géisers e vulcões, alguns ainda hoje com atividade sísmica, e um subsistema de três lagos. A paisagem é imensa e faz-nos sentir bem pequeninos, a olhar e admirar a imensidão do que está à nossa frente – uma das maiores capacidades de África.

Como seria de esperar, tenho muito para partilhar desta viagem e, por isso, optei por a dividir numa pequena série de posts, de modo a não se tornar maçador!

Espero que a acompanhem e que tenham uma ótima Semana!

One thought on “Postcards from Quénia #part1

Deixar uma resposta